Chocolate - Antigo, irresistível e delicioso

O sabor exclusivo do chocolate

Odor CMS - Exemplo de imagem flutuante

Chocolate – Antigo, irresistível e delicioso. Chegou a época do chocolate. Mesmo se a ideia for resistir para manter a forma, não vai adiantar, uma hora ele vai te pegar e você vai comer um chocolate. Como no filme “Chocolat” com Juliette Binoche e Johnny Depp.

Mas não se preocupe, conhecendo melhor a história do chocolate é possível degustar um chocolate de qualidade o ano inteiro, é só saber escolher e curtir com moderação.

Pense que o chocolate é um alimento muito antigo e que era consumido diariamente por alguns povos. Acredita-se que o cacaueiro seja originário das bacias do Rio Amazonas e do Rio Orinoco na América do Sul, onde se desenvolveu durante milhares de anos.

Os primeiros a cultivar o cacau foram os Maias, que espalharam a cultura para outras regiões do continente. O Rei e os Nobres Astecas bebiam em todas as ocasiões um chocolate amargo, que era uma poção feita de sementes de cacau trituradas, fermentado com cereais ou vinho e servido em taças de ouro.

O conquistador espanhol Hernán Cortés (1485-1547), interessado no ouro, também observou que os Astecas usavam as sementes do cacau como moeda. Espertamente criou a cultura do cacau, o “ouro marrom”. A Espanha controlou o mercado cacaueiro até o século 18.

Com o passar do tempo, os espanhóis levaram o cacau para o Haiti, para Trinidad e África Ocidental.

Hernán Cortés apresentou a bebida de chocolate asteca à corte espanhola no século 16. Com o tempo a nobreza europeia se rendeu ao chocolate. O chocolate encantou tanto os europeus que em 1763, os cervejeiros da Grã-Bretanha, sentindo-se ameaçados exigiram que se criassem leis para controlar a sua fabricação.

Em 1828, o químico holandês Van Houten descobriu como extrair o cacau em pó e a manteiga de cacau da massa de sementes de cacau moído. Isso levou a criações de receitas com medidas exatas de licor de cacau (pasta escura e espessa), manteiga de cacau e açúcar para produzir o chocolate em barra.

O cacau deixou de ser moído à mão a partir da Revolução Industrial, com moendas movidas a vapor e fabricação mecanizada. A partir de 1850, os suíços desenvolveram um processo de revolvimento que refinaria ainda mais o chocolate.

Muitos empresários como Hershey, Kohler, Lindt, Nestlé, Peter, Suchard e Tobler — nomes que hoje são marcas de chocolate conhecidas, contribuíram muito para a indústria chocolateira, tanto com maquinário mais eficaz, quanto com receitas de chocolate mais aprimoradas.

O plantio de cacaueiros tropicais em condições adequadas varia entre 20 graus para o norte ou para o sul do equador. Crescem na sombra e no clima úmido, dando flores e frutos o ano todo.

Os frutos contêm entre 20 e 50 sementes cobertas com uma polpa branca meio amarga. As sementes são extraídas manualmente e depois cobertas. Após alguns dias as sementes passam a ter uma cor marrom-chocolate. A próxima etapa é a secagem, as sementes são expostas ao sol quente ou com secadores mecânicos para se conservarem melhor no armazenamento.

Os cacaueiros (Theobroma Cacao) classificam-se em três variedades: Forasteiro, Criollo e Trinitário.

O Forasteiro é o cacau comum na lavoura cacaueira mundial. Os principais produtores são a África Ocidental, o Brasil e o Sudeste Asiático.

O Criollo é o cacau aromatizante que dá um sabor de nozes ou floral ao chocolate. Ele é cultivado em escala bem menor e os produtores são a América Central, Equador e Venezuela.

O Trinário é uma variedade híbrida, resultado do cruzamento entre as variedades Forasteiro e Criollo. Tem uma classificação intermediária entre as duas variedades, mas se destaca pela resistência e produtividade.

Quando chegam à fábrica, as sementes são limpas e classificadas. Depois, são torradas para realçar o sabor e liberar todo o aroma do chocolate. Em seguida as sementes são descascadas e as amêndoas marrom-escuras são usadas como a base do cacau em pó e do chocolate.

Depois de passar por processos de revolvimento e refinamento, finalmente temos o tipo de chocolate apreciado pelos consumidores hoje.

O chocolate é considerado saudável, pois o cacau que é a base do chocolate, contém flavonoides que são antioxidantes e ajudam a mante o coração saudável; o cacau também contém cafeína, que aumenta o raciocínio e a disposição.

Porém, o consumo em excesso não é recomendável. O chocolate contém calorias elevadas, carboidratos, gorduras e proteínas. Essa combinação coloca o chocolate no grupo dos alimentos que mais contribui para o aumento de peso.

O tipo de chocolate é tão importante quanto ficar de olho na quantidade. Prefira o chocolate amargo ou meio amargo, pois é o que tem mais cacau, sendo o mais benéfico para a saúde.

O chocolate amargo é feito com sementes de cacau torradas, quantidades mínimas de açúcar, manteiga de cacau e sem adição de leite. Deve conter 35% de sólidos de cacau ou mais.

O chocolate branco é feito da mistura de manteiga de cacau com outros ingredientes, como açúcar e leite. Não contém sólidos de cacau em sua composição. Deve conter no mínimo 20% de manteiga de cacau.

O chocolate ao leite tem em sua composição licor de cacau, manteiga de cacau, leite, leite em pó ou leite condensado e açúcar. Segundo a legislação deve conter no mínimo 25% de sólidos de cacau.

Agora que você já sabe um pouco sobre chocolate, procure o seu sabor exclusivo e aprecie nos seus melhores momentos. O chocolate é perfeito para os momentos em família, compartilhar com os amigos e quebrar a ansiedade durante a semana.

Para quem gosta de cinema uma dica é assistir o filme Chocolat com Juliette Binoche, Johnny Depp, Judi Dench e Alfred Molina.

Uma emocionante historia que se passa numa pequena vila francesa, onde a Viajante Vianne Rocher (Juliette Binoche) instala ao lado da igreja uma tentadora loja de chocolates. Uma obra arte impecável em fotografia, figurino e direção de arte. O cenário da cidade parece um conto de fadas medieval.

Chegou a época do chocolate. Mesmo se a ideia for resistir, uma hora ele vai te pegar e você vai comer um chocolate. Como no filme “Chocolat”.